Notícias Fecomercio

16 de fevereiro de 2018

Provável fim do parcelamento sem juros pode prejudicar vendas no comércio


Medida inclui mais um intermediário nas transações e deixa cobrança de juros visível ao consumidor

Modalidade bastante comum no País, a compra parcelada sem juros é quando o consumidor adquire um produto ao fazer a compra no cartão em um determinado número de parcelas, e o lojista recebe o dinheiro 30 dias após efetuada a compra e ao longo do parcelamento. Com isso, o risco de inadimplência fica para as operadoras de cartão de crédito.

Embora a taxa de juros cobrada não apareça no valor da compra, o custo financeiro do parcelamento está embutido no preço do produto – há taxas que variam por atividade, número de parcelas e operadora, além da mensalidade das máquinas de cartão.

Atualmente, está em discussão no Banco Central uma proposta que prevê acabar com o parcelamento sem juros. A ideia é antecipar de 30 para cinco dias o recebimento do lojista, e o banco assumiria o risco, mas cobrando pelo parcelamento. Esse modelo se aproxima do que é praticado internacionalmente.

Contudo, a cultura de consumo no Brasil está ligada a compras a prazo. Em geral, o consumidor não entende plenamente como funciona a cobrança de juros, preferindo observar se a parcela em questão cabe ou não no bolso ao longo do tempo de comprometimento da dívida.

A antecipação de recebimento é positiva para o lojista, pois melhora o fluxo de caixa, um dos grandes problemas do empresariado. Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o mais importante é não excluir o modelo atual e dar liberdade para que o mercado escolha o melhor meio de pagamento de acordo com a peculiaridade de cada negócio. Confira a matéria completa aqui.

 

Voltar para Notícias