Notícias Fecomercio

22 de junho de 2018

Exportações brasileiras sofrem com falta de acordos comerciais do País, aponta estudo da FecomercioSP


Pesquisa mostra que a maioria das empresas não utiliza integralmente as vantagens oferecidas pelos poucos acordos vigentes

Uma das economias mais fechadas do mundo, o Brasil anseia por um acordo entre o Mercosul – bloco do qual faz parte ao lado de Argentina, Paraguai e Uruguai – e a União Europeia para que possa ampliar a sua participação no comércio internacional. Enquanto a negociação que pode facilitar as transações com os 28 países-membros do bloco europeu segue em andamento, os produtos brasileiros continuam enfrentando dificuldades de acesso a novos mercados, em função, entre outros fatores, do baixo número de acordos comerciais do País com o resto do mundo e do uso parcial que as empresas fazem deles.

Esses são dois dos principais problemas enfrentados pelo setor exportador brasileiro, de acordo com estudo do Conselho de Comércio Externo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), uma vez que os acordos comerciais têm uma importância significativa na política comercial de um país, funcionando como um mecanismo para regulação das exportações e importações.

Embora o Mercosul estabeleça o livre-comércio entre os integrantes, o bloco adotou uma postura excessivamente protecionista, principalmente por parte do Brasil e da Argentina, dificultando a assinatura de outros acordos que pudessem favorecer as exportações brasileiras.

Além do reduzido número de acordos do País, o estudo da FecomercioSP aponta que as empresas não aproveitam todas as vantagens previstas neles. Pesquisa da Thomson Reuters/KPMG reforça essa afirmação ao indicar que 82% das empresas fazem negócios utilizando apenas parcialmente os tratados de livre-comércio.

Com isso, as empresas que fazem negócios internacionais provavelmente pagam mais do que o necessário em tarifas e impostos e, consequentemente, perdem competitividade no mercado internacional. Confira a matéria completa aqui.

 

Voltar para Notícias