Notícias Fecomercio

9 de abril de 2018

“A democracia como valor está cada vez mais difícil de ser exercitada”, afirmam Mônica Sodré e Derson Maia


UM BRASIL convida professores para debater democracia no contexto brasileiro atual

“Movimentos de renovação provam que, no sistema democrático, sempre há possibilidade de reparar as lacunas que fazem com que a democracia fique mais frágil”, afirma o servidor público federal, professor voluntário da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (UnB) e copresidente do Frente Favela Brasil, Derson Maia. Ao lado da cientista política e professora da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FespSP), Monica Sodré, ele participa de conversa a convite do canal UM BRASIL sobre democracia.

O debate é uma realização da plataforma UM BRASIL em parceria com o Colégio Bandeirantes, com mediação da jornalista Maria Cristina Poli.

“Movimentos que forçam a institucionalidade do governo a se abrir à transparência pública pulverizam o poder, de modo que as pessoas participem ativamente da política”, explica Maia. Para ele, a democracia, por permitir a valorização das liberdades individuais, constitui a melhor forma de fazer política e representar os cidadãos. “Poder se expressar livremente, juntar-se a pessoas e fazer o exercício da cidadania acontecer vai além do voto”, crê.

A teoria diz que democracia é um sistema de tomada de decisão em que as pessoas são iguais perante a lei e têm o mesmo valor, segundo a explicação de Monica Sodré. “É um sistema que, desde o século 17, associou-se à representação, que permite que as pessoas de tempos em tempos escolham seus representantes por meio do voto”, afirma.

“Vivemos em um momento polarizado, e a democracia como valor está cada vez mais difícil de ser exercitada. Estamos num mundo cada vez mais rápido, impaciente, conectado, com disseminação de notícias falsas. Acredito que a democracia precisa se adaptar a um contexto mais complexo do que quando ela surgiu, até do ponto de vista da representação”, observa a professora. Assista a entrevista completa aqui.

 

Voltar para Notícias