Notícias Fecomercio

21 de junho de 2018

Banco Central mantém Selic em 6,5% e confirma fim do ciclo de queda dos juros neste governo, avalia FecomercioSP


Segundo a Entidade, instituição optou pela manutenção da taxa sem correr grandes riscos momentâneos

O Banco Central (BC) manteve, mais uma vez, a Selic em 6,5% e confirmou, por enquanto, a aposta dos mercados de que o ciclo de quedas se encerrou em março, sendo o último deste governo, avalia a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ainda acumula, em 12 meses, menos de 3% e não há indícios de fortes pressões no curto prazo. De qualquer forma, a projeção do BC no boletim Focus para o IPCA está em torno de 3,5% neste ano, o que colocaria a taxa de juros real próxima ao patamar de 3%. Apesar da inflação acumulada em 12 meses se manter baixa, o câmbio está pressionado, e o Banco Central optou por manter a Selic sem correr grandes riscos momentâneos, principalmente por se tratar de um ano eleitoral.

De acordo com a Federação, o cenário de inflação sob controle em nível de atividade fraco permitiu a redução da taxa de juros, como vinha sendo feito desde 2016. Nesse momento, entretanto, há alguns sinais amarelos que podem justificar o fim do ciclo de quedas da Selic: o quadro internacional é ainda de liquidez elevada, porém, é esperado um aumento nas taxas de juros na Europa e nos Estados Unidos, e há uma pressão no câmbio que até agora não está bem esclarecida e não deixa o BC confortável no longo prazo. A alta do dólar tem se mantido por muito tempo e aumentam as possíveis pressões inflacionárias vindas de fora do País.

A Entidade enfatiza que a paralisação de caminhoneiros complicou ainda mais o cenário econômico, gerando diversos efeitos negativos, como a redução da confiança do consumidor e a alta momentânea nos preços de alimentos, além das incertezas nos ambientes social e político.

Outro fator limitador para que o Brasil tenha taxas de juros reais de 0% a 1% como em países desenvolvidos, é a situação fiscal, que, apesar de uma trajetória melhor do que tinha no passado recente, ainda inspira cuidados. Confira a matéria completa aqui.

 

Voltar para Notícias