Home

  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner

Sem planejamento não haverá crescimento, por Abram Szajman


Amplie a foto

"Nosso ambiente de negócios está longe de ser animador, ainda que o país possa ser considerado um campo fértil para o desenvolvimento de inúmeras atividades econômicas que estão com o potencial esgotado em economias ricas", afirma Szajman

Por Abram Szajman*

A sociedade clama, e o empresário reclama por crescimento, mas no Brasil de hoje vicejam apenas as incertezas, não os investimentos.

Nosso ambiente de negócios está longe de ser animador, ainda que o país possa ser considerado um campo fértil para o desenvolvimento de inúmeras atividades econômicas que estão com o potencial esgotado em economias ricas.

É o caso da infraestrutura, dos transportes, da produção e venda de bens de consumo e de máquinas.

Investimentos desse porte, porém, requerem planejamento prévio, o que demanda, por sua vez, um grau de previsibilidade sobre qual será o comportamento dos governos e das instituições do Estado no médio e no longo prazo.

No século passado, os momentos de grande crescimento econômico foram precedidos de planejamento nacional.

Foi assim quando Getúlio Vargas lançou a marcha para o oeste e as bases de nossa industrialização. Foi novamente assim com o Plano de Metas de Juscelino Kubitschek e o Plano Nacional de Desenvolvimento Econômico, durante o regime militar.

Este último representou a mais ampla formulação oficial do "modelo brasileiro de organizar o Estado e moldar as instituições", para tentar transformar o Brasil numa sociedade capitalista desenvolvida.

Evidentemente, não há espaço para a repetição pura e simples desse modelo concebido em contexto autoritário, mas resgatar o papel do planejamento é fundamental para se criar um ambiente de negócios adequado, nem que atualmente a sinalização para isso seja menos Estado e mais eficiência governamental nos diversos níveis.

Os objetivos que precedem os períodos de crescimento devem ser perseguidos com disciplina, o que implica a manutenção das regras do jogo e o encadeamento lógico de atividades, levando-se em conta que a economia é um conjunto de vasos comunicantes.

A realidade que vivemos, entretanto, é oposta. Nela, os empresários correm para sobreviver até amanhã.

Não se sabe mais quem manda, nem mesmo quem faz o quê. Ora não há responsáveis a serem chamados, ora temos autoridades demais a dar palpites e criar regras.

Diante da ausência de um plano e de um objetivo nacional, impera a queda dos padrões morais e da noção de responsabilidade individual. Prevalecem, por fim, o egoísmo e o receio de investir.

Dito isso, é preciso encontrar um caminho para que a economia volte a crescer, o que só ocorrerá se o prêmio justificar o risco.

Hoje, os riscos e incertezas excedem o razoável. Basta ver a reforma trabalhista. Proposta pelo Executivo e aprovada pelo Legislativo, ela ainda nem entrou em vigor, mas já está sendo contestada no Supremo Tribunal Federal pela Procuradoria-Geral da República.

Novamente: quem manda? Em quem acreditar? Qual regra vale hoje e qual valerá amanhã? Esse parece um ambiente de negócios convidativo, a despeito do tamanho das oportunidades do Brasil?

No atual cenário de crise política e econômica continuada, não há perspectiva de solução satisfatória de curto prazo que não seja mais um remendo. Uma solução definitiva e que permita ao país voltar a pensar em crescimento passa por uma nova visão estratégica de longo prazo, pactuada por toda a sociedade.

A elaboração, a apresentação para o debate e a implementação de um planejamento de longo prazo são obrigação do governo, para que tenhamos estabilidade e confiança nas regras, elementos fundamentais para o crescimento sustentado.

ABRAM SZAJMAN é presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). 
Artigo originalmente publicado no jornal Folha de S. Paulo no dia 18 de setembro de 2017

 


<< Voltar

    (14) 3622-5883 / 3624-5037
    Rua Rolando Damico, 381 - Vila Assis - Jaú - SP

    Imagem