Home

  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner

Crises econômica e política mantêm índice de expansão do comércio paulistano em queda livre, aponta FecomercioSP


Amplie a foto

O Nível de Investimento das Empresas foi reduzido em 4,7% em relação ao mês de março (PixAbay)

Pelo quarto mês consecutivo, o Índice de Expansão do Comércio (IEC) registrou queda e, em abril, atingiu 65,3 pontos, recuo de 1,3% em relação ao mês anterior. Na comparação com o mesmo período de 2015, a redução foi de 20,4%. Com isso, o indicador renovou o mínimo histórico e mantém-se há 15 meses abaixo dos 100 pontos, o que sinaliza pouca disposição para expansão dos negócios por parte dos empresários. A deterioração da economia e o agravamento da crise política são os principais fatores que influenciaram a nova retração do indicador, o que aponta para a continuidade da redução dos investimentos e dos quadros de funcionários nas empresas do varejo. 

A pesquisa é realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).  

O Nível de Investimento das Empresas (um dos indicadores que compõe a pesquisa e sinaliza se o empresário está ou não disposto a investir em novas instalações ou equipamentos) reduziu 4,7% em relação a março ao passar de 58,7 para 56 pontos. Na comparação anual, a queda foi ainda mais significativa (-20,9%). 

Já o subíndice Expectativas para Contratação de Funcionários (outro componente do IEC) registrou leve alta de 1,3% na comparação com março e atingiu 74,7 pontos, ante 73,7 no mês anterior. Porém, na comparação anual, o valor é 20% inferior e, apesar da alta mensal, o indicador segue próximo à mínima histórica, o que vai ao encontro das mais de 60 mil vagas eliminadas em um ano pelo varejo paulista. 

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, neste momento, a disposição dos empresários tanto para empregar quanto para investir está muito baixa e 70,2% dos donos de empresas entrevistados ainda pretendem reduzir o quadro de funcionários. 

Para a Federação, o primeiro semestre será muito complicado, principalmente para o mercado de trabalho. A tendência é que a taxa de desemprego aumente nos próximos meses, o que pode levar a novas quedas do Índice de Expansão do Comércio. A Entidade reforça que o início de uma retomada da confiança dos agentes e da economia pode surgir com a mudança no governo, desde que acompanhada pelo anúncio de medidas para enfrentar os desequilíbrios econômicos.

Fonte: Fecomércio-SP

 


<< Voltar

    (14) 3622-5883 / 3624-5037
    Rua Rolando Damico, 381 - Vila Assis - Jaú - SP

    Imagem