Home

  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner

Economia global projeta cenário decepcionante, diz Nobel de Economia


Amplie a foto

A economia global passa por uma crise de superoferta, afirma o Nobel de Economia Paul Krugman. Em entrevista à Folha, ele diz que o cenário mundial começa a se parecer cada vez mais com o da Europa: sofre com crescimento baixo, pressões deflacionárias e desempenho decepcionante.

"Parece que estamos numa situação em que ninguém quer gastar, não há demanda suficiente", diz. A solução para isso, segundo ele, seria um grande programa de estímulo fiscal nos países desenvolvidos, mas não há vontade política para isso.

 Brendan McDermid/Reuters 
ORG XMIT: NYK509 Nobel Prize winning economist Paul Krugman speaks during an interview in New York, May 4, 2012. Krugman has a simple message for U.S. policymakers: Forget about the country's huge budget deficit. Focus instead on the much more immediate problem of mass unemployment. Picture taken May 4. REUTERS/Brendan McDermid (UNITED STATES - Tags: BUSINESS)
Paul Krugman, Nobel de Economia: pessimismo em relação à economia mundial

Krugman, que vem ao país em novembro para participar de evento da empresa da área de gestão empresarial HSM, diz que a situação brasileira é "um pouco humilhante", mas está longe da registrada em crises anteriores.

A temida perda do grau de investimento, afirma, não faria tanta diferença para o país. "Isso gera manchetes, mas o que importa mesmo é a percepção" dos agentes.

Folha - As projeções para o início de um novo ciclo de alta de juros nos EUA já foram alteradas diversas vezes e, agora, o mercado espera que a primeira elevação fique para 2016. Quando o senhor acredita que o Fed vai agir?

Paul Krugman - Eu acho que eles não vão agir até algum momento do ano que vem. O cenário necessário para a alta de juros simplesmente não existe agora. Não ficaria surpreso se levasse muito mais tempo do que todos esperam. Dada a fraqueza da economia global, pode ser que uma boa parte do ano se passe sem que haja um aumento, talvez até mais que isso.

Parte do mercado argumenta que o Fed está demorando demais e que agir logo e acabar com a expectativa é a melhor opção. O que o sr. acha?

Esse é um argumento bem tolo. As pessoas estão criando uma narrativa emocional, mas o que tem que ser considerado é: em um ano, se a economia estiver pior do que se imaginou, você vai ficar feliz de ter elevado os juros? Não, vai estar arrependido. Se a economia estiver mais forte, terá a oportunidade de elevar os juros mais à frente.

Ninguém consegue dar uma razão sólida, baseada na teoria econômica e nos dados, para elevar os juros. A verdade é que parece que esse argumento faz sentido, mas não faz nenhum.

Qual pode ser o efeito real de um aumento nos juros dos EUA para os emergentes?

O impacto será provavelmente maior do que as pessoas, ou o Fed, pensam. Mesmo que o aumento seja só de 0,25 ponto percentual, ele será um sinal de que o Fed é mais 'hawkish' [agressivo] do que o mercado acredita.

O que vemos agora nos mercados emergentes é uma versão menor do que o que aconteceu no fim dos anos 1990: perda de confiança dos investidores, queda no preço das commodities e problemas nos resultados financeiros corporativos, dada a quantidade substancial de dívidas atreladas ao dólar.

E uma valorização da moeda norte-americana [em decorrência do aumento dos juros] exacerbaria isso. Não acho que vá ser uma catástrofe, mas haverá aumento significativo do estresse.

O sr. já afirmou que a venda de títulos dos EUA pela China provou ser bem menos catastrófica que o previsto. Há exagero na projeção sobre os efeitos da desaceleração chinesa?

Muitas pessoas estão considerando a desaceleração, e não olhando os números –que não são tão ruins quanto pensam. A China é um consumidor importante de matérias-primas, parte importante da economia global, então, claro, problemas no país são um entrave. Mas o resto do mundo só exporta cerca de 2% do que produz para o mercado chinês. É difícil que uma desaceleração grave na China faça tanto estrago.

O cenário global tem realidades distintas hoje: EUA e Reino Unido falam em aumentar os juros, enquanto a Europa deve manter as taxas baixas por um longo tempo e os emergentes apresentam problemas. Qual é a perspectiva nos próximos cinco, dez anos?

Não acho que estejamos olhando para uma crise em larga escala. É claro que você nunca prevê algo assim, mas não espero uma nova crise como a de 2008. O que está acontecendo é que o cenário global começa a se parecer com o que o europeu tem sido há algum tempo: baixo crescimento, pressões deflacionárias e desempenho econômico bastante decepcionante.

Parece que estamos em uma situação em que ninguém quer gastar, não há demanda suficiente. Temos um problema de superoferta global. Vai levar um tempo até que consigamos determinar se isso é uma estagnação secular, mas certamente estamos olhando para um mundo com uma falta persistente de demanda adequada.

É possível resolver isso?

Sim. Se os países que têm custos de financiamento extremamente baixos fizessem um grande programa de investimentos em infraestrutura, isso ajudaria muito a saída deles –e do resto do mundo– dessa situação.

O problema é que, politicamente, não há nenhuma perspectiva disso acontecer. Se você me perguntar se os livros apresentam uma solução, eu diria que sim, um programa amplo de estímulo fiscal, temporário, ajudaria a elevar a inflação e tudo ficaria bem. Agora, se quiser saber se há alguma chance de isso acontecer nos próximos anos, a resposta é não.

A Europa está realmente se tornando o novo Japão?

Sim. A demografia na região se parece com a do Japão, a população em idade ativa está diminuindo, a demanda está baixa. Ainda não há deflação, mas a projeção para a inflação já está em metade da meta. E, em alguns aspectos, a situação na Europa é pior que no Japão, que ao menos tinha uma política fiscal que amorteceu os problemas e maior inclusão social.

O Brasil enfrenta uma crise econômica, aliada a um cenário de incerteza política que prejudica o ajuste fiscal. É uma das piores crises da história recente do país?

Apesar de o Brasil estar obviamente uma bagunça, do ponto de vista político, e mesmo que a economia tenha sofrido um retrocesso perto de todo aquele otimismo de alguns anos atrás, os fundamentos econômicos do país não chegam nem perto de estar tão ruins quanto em episódios anteriores.

A situação fiscal não é desesperadora e o país está longe de um momento em que precisaria imprimir dinheiro para pagar suas contas. A taxa de câmbio está alta, mas nada perto dos níveis que associamos a crises graves.

Houve, sim, impacto da queda nos preços das commodities, e isso é significativo. Mas o Brasil de 2015 não é a Indonésia em 1998, nem a Argentina em 2001. É um problema, é desagradável e um pouco humilhante se ver nesta situação de novo. Mas as pessoas estão exagerando.

O país perdeu o grau de investimento concedido pela agência de classificação de risco Standard & Poor's em setembro, e um novo rebaixamento pode ocorrer até o próximo ano. Qual poderia ser o efeito disso para o Brasil?

Nos países avançados, as classificações de risco não têm efeito nenhum. Para o Brasil e outras economias emergentes, isso ainda pode importar um pouco, mas bem menos que antes. É importante dizer que não há informação nenhuma na nota, as agências não têm nenhuma informação que as pessoas que acompanhem os dados e os jornais não saibam.

Isso pode ter algum efeito porque há alguns investidores institucionais que são obrigados a considerar o rating para montar seus portfólios. Mas eu suspeito que isso não seja grande coisa na situação atual. Isso gera manchetes, mas o que importa mesmo é a percepção.

Com a economia dos EUA se recuperando e os emergentes em baixa, pode haver uma nova reorganização de poderes?

Em termos econômicos, há muito menos poder no sistema em geral. Os EUA perderam sua habilidade de ditar a política econômica de outros países há algum tempo. As instituições internacionais provavelmente vão continuar apresentando um aumento na participação dos emergentes, embora os problemas na China possam estragar isso.

Mas, quando falamos sobre as instituições econômicas globais, quanto elas realmente importam? O que o G20 ou o G7 realmente fazem? Não muito. Acho que o ponto agora não é quem vai ser o próximo chefão das relações internacionais, mas, sim, que estamos num mundo sem essa figura.

O Nobel de Economia foi concedido neste ano a Angus Deaton, cuja pesquisa recente tem como tema a desigualdade, cada vez mais presente no debate público. Essa é a questão mais importante atualmente?

Não, acho que é o meio ambiente. Nada importa tanto quanto os riscos de danos ambientais catastróficos. Mas a desigualdade está entre os três maiores problemas, tanto por causa de suas implicações diretas quanto por causa dos efeitos na política econômica. É uma coisa gigante. Resolver qualquer outro problema se torna muito mais difícil por causa da desigualdade.

Com todos os problemas enfrentados pela economia global hoje, os governos conseguem dedicar tempo para discutir a questão?

O problema é que há forças políticas poderosas que têm interesse na desigualdade, que querem aumentá-la. Se você olhar para os políticos, entre os partidos não há diferença intelectual sobre o que funciona: um partido quer reduzir os impostos para os ricos e reduzir a ajuda para os pobres e o outro quer fazer o contrário. Então a discussão é sempre sobre desigualdade. 

Fonte: Folha de São Paulo


<< Voltar

    (14) 3622-5883 / 3624-5037
    Rua Rolando Damico, 381 - Vila Assis - Jaú - SP

    Imagem