Home

  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner

Confiança do empresário do varejo cai 1,4% em junho e registra a sétima queda consecutiva


Amplie a foto

As grandes empresas melhoraram suas perspectivas (Arte/Tutu)

A insegurança do empresário do comércio paulistano em relação à instabilidade econômica e política motivou a sétima queda consecutiva do Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC), que passou de 81,8 em maio para 80,6 pontos este mês (-1,4%), o menor nível da série histórica iniciada em 2011. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a retração foi ainda mais expressiva: 20,3%, o que acentua a tendência de descontentamento do comerciante observada desde 2014.

O ICEC varia de zero (pessimismo total) a 200 pontos (otimismo total) e é medido mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

De acordo com a Federação, o desempenho negativo observado nos Dias das Mães e Namorados contribuiu ainda mais para a queda da confiança do empresário, devido ao excesso de estoques e também pelos processos de demissões. A expectativa da Entidade é que a longo prazo, os ajustes macroeconômicos, se efetivamente concretizados, devam colocar o País rumo à recuperação econômica. Entretanto, o cenário atual ainda é bastante desalentador.

As projeções da FecomercioSP para o ano continuam com viés de queda para o PIB entre 1,5% e 2%, câmbio acima de R$ 3,00, e inflação acima de 8% em 2015.

Indicadores

A queda mais expressiva foi verificada no Índice das Condições Atuais do Empresário do Comércio (ICAEC), o qual mostra que o sentimento de pessimismo em relação ao momento atual aumenta a cada mês. O indicador retraiu 6,4% e passou de 44,8 em maio para 41,9 pontos em junho.

O Índice de Investimento do Empresário do Comércio (IIEC) também registrou queda (-1,4%), e foi de 79,2 para 78,2 pontos. O Índice de Expectativa do Empresário do Comércio, por sua vez, foi o único indicador a apresentar alta: 0,3%, e passou de 121,4 para 121,8 pontos.

Na avaliação por porte, as grandes empresas, que, há três meses, haviam alcançado o mesmo patamar das pequenas, se deslocaram um pouco e melhoraram suas perspectivas. O ICEC, no caso de empresas com mais de 50 empregados, passou de 79,5 pontos em maio para 83,6 pontos em junho, alta de 5,2%. Em contrapartida, a queda interanual das percepções das grandes é maior que as pequenas (-27%, ante -20,1%), o que pode explicar o ajuste positivo de junho: exagero do conservadorismo nos últimos meses.  Já o ICEC das com menos de 50 funcionários atingiu 80,6 pontos em junho, ante 81,9 pontos em maio, recuo de 1,6%.

Nota metodológica

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) contempla as percepções do setor em relação ao seu segmento, à sua empresa e à economia do País. São entrevistas com 600 empresários na capital, em painel fixo de empresas, com amostragem segmentada por setor (não duráveis, semiduráveis e duráveis) e por porte de empresa (até 50 empregados e mais de 50 empregados). As questões agrupadas formam o ICEC, que por sua vez pode ser decomposto em outros subíndices que avaliam as perspectivas futuras, a avaliação presente e as estratégias dos empresários mediante o cenário econômico. A pesquisa é referente ao município de São Paulo, mas sua base amostral reflete o cenário da região metropolitana.

Fonte: Fecomércio-SP


<< Voltar

    (14) 3622-5883 / 3624-5037
    Rua Rolando Damico, 381 - Vila Assis - Jaú - SP

    Imagem