Home

  • Refecom Digital
  • Refecom Manual
  • Convenções Coletivas de Trabalho
  • Cartilha Afixação de Preços
  • Código de defesa do consumidor
  • Reforma Trabalhista

      FecomercioSP considera proposta que vincula o reajuste do salário mínimo à previdência prejudicial ao sistema


      Amplie a foto

      Caso o método de cálculo levasse em conta a sugestão da FecomercioSP, o gasto seria de, aproximadamente, R$ 384,6 bilhões
      (Pixabay/Public Domain)

      A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é contra a aprovação da emenda que vincula todos os benefícios da Previdência Social à política de valorização do salário mínimo. Para a Entidade, a fórmula do cálculo atual é mirabolante e complexa ao levar em consideração a inflação do ano anterior e o PIB com defasagem de dois anos, além de poder impactar negativamente as contas da previdência.

      A FecomercioSP há tempos insiste na necessidade de revisar a fórmula de reajuste do salário mínimo de forma a retratar a realidade brasileira, ainda mais em um ambiente de incertezas econômicas, em que o ajuste fiscal se faz necessário.

      A proposta da Entidade é que seja levado em conta o PIB per capita do ano retrasado, ao invés de considerar o PIB real de 2013. Com isso, o valor referente a 2014, por exemplo, seria de aproximadamente R$ 702,00, uma diferença de -3% em relação ao que foi definido para o respectivo ano (R$ 724,00).

      Em 2014, segundo dados oficiais divulgados pela Previdência Social, o país gastou com as suas aposentadorias, algo em torno de R$ 396,3 bilhões. Caso, o método de cálculo do salário mínimo levasse em conta o PIB per capita, sugerido pela FecomercioSP, o gasto seria de, aproximadamente, R$ 384,6 bilhões, o que representa economia de R$ 12 bilhões nas contas da previdência. No decorrer do tempo, a Entidade observa uma economia exponencial.

      A Federação afirma não defender uma redução do valor do salário mínimo, mas que eventuais aumentos com base no PIB per capita sejam concedidos apenas quando houver aumento de produtividade. Trata-se de uma medida que não visa à redução dos benefícios, mas obriga o setor produtivo a aumentar a sua produtividade, estimulando o crescimento econômico e o bem-estar social da população, podendo ser considerada como uma medida de ajuste da economia.

      Fonte: Fecomércio-SP


      << Voltar

          (14) 3622-5883 / 3624-5037
          Rua Rolando Damico, 381 - Vila Assis - Jaú - SP

          Imagem