Home

  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner
  • Banner

Gastos com alimentação em casa pesam no bolso dos paulistanos


Amplie a foto

O custo de vida na região metropolitana de São Paulo (RMSP) teve alta de 0,36%, em novembro, na comparação com outubro, de acordo com o Índice de Custo de Vida por Classe Social (CVCS). A pesquisa é realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). O indicador apontou acréscimo de 5,23%, nos preços médios em 2014, e aumento de 6,18% nos últimos 12 meses. O índice foi puxado principalmente pela elevação dos custos com alimentação e bebidas, que subiram 0,96%.

 

A pesquisa mostra ainda que se alimentar em casa ficou 1,34% mais caro em novembro do que em outubro. Já os gastos com alimentação fora da residência subiram 0,57% no comparativo mensal, e acumularam alta de 10,41% nos últimos 12 meses. As despesas com habitação e saúde também contribuíram para o aumento do custo de vida na RMSP, com elevação de 0,36% e de 0,46%, respectivamente. A soma dos três segmentos (alimentação/bebidas, habitação e saúde) representa pouco mais da metade de todo o CVCS no mês.

Dos nove grupos de atividades que compõem o índice, somente artigos do lar encerrou o mês com variação negativa (-0,68%). Já os itens que apresentaram os menores aumentos foram educação, com alta de 0,04%, e transporte, com 0,07%.

Com relação às faixas de renda, a classe que mais sentiu o aumento do custo de vida foi a D (0,43%) – a maior alta entre todas as classes avaliadas – em razão da elevação do grupo alimentos e bebidas (1,05%), que representa 30% do orçamento das famílias. Já a classe B foi a que menos sentiu a alta dos preços (0,29%).

IPV e IPS
A pesquisa da FecomercioSP analisa separadamente a alta de preços de produtos por meio do Índice de Preços do Varejo (IPV) e de serviços por meio do Índice de Preços de Serviços (IPS). Os preços dos produtos subiram 0,40%, puxados pelo grupo alimentação e bebidas, com elevação de 1,23%. Os destaques ficaram por conta do aumento dos preços dos itens: contrafilé (4,82%), batata inglesa (28,91%), tangerina (12,13%), cenoura (11,54%), pera (10,30%), cebola (5,59%) e mamão (4,63%).

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, a alta nos preços dos alimentos se deve principalmente à escassez hídrica – cenário que não deve ser revertido em um curto espaço de tempo.

No índice que avalia os preços dos serviços, o aumento em novembro foi de 0,31%, com destaque para habitação (0,47%), alimentos e bebidas (0,57%) e saúde e cuidados pessoais (0,70%). Entre os subgrupos, é importante pontuar o desempenho verificado em conserto de automóvel (4,51%), pintura de veículo (3,61%), cabeleireiro (3,16%), boate e danceteria (2,88%) e tratamento de animais (2,08%).

 

Alimentação em domicílio teve alta de 1,34% em novembro, ante 0,57% para os custos com alimentação fora da residência (Arte/Tutu).


<< Voltar

    (14) 3622-5883 / 3624-5037
    Rua Rolando Damico, 381 - Vila Assis - Jaú - SP

    Imagem